Qual é a nossa resposta?

Jaro Foto 6   Todo processo de repressom política como o que agora nos tocou viver procura em última instáncia desarticular as redes militantes e organizativas às que golpeia, mudar as consciências, forçar renúncias pessoais e coletivas, instaurar o medo e condicionar os comportamentos políticos face onde empurra a repressom. Isto, no caso do Independentismo Galego, é umha obviedade histórica.

   Sendo assim as cousas, nós devemos dar a volta à repressom: impulsionar a coesom, a solidariedade e a deslegitimaçom social deste regime que carece dos mínimos elementos imprescindíveis para se qualificar de “democrático”, abrir linhas de diálogo e denúncia que rachem a endogamia à que nos empurra a repressom e explicar a necessidade do projeto independentista para a maioria social e a lógica aspiraçom a construi-lo e reconstrui-lo umha e outra vez.